top of page
Background.png
Header_Site3.png
  • Foto do escritorGabriella Ferreira

Crítica | Nada Será Como Antes - A Música do Clube da Esquina

Documentário aposta no seguro para contar história de icônico álbum da música brasileira

Foto: Divulgação


Considerado por muitos uma das melhores obras brasileiras de todos os tempos, o primeiro álbum do Clube da Esquina completou recentemente 50 anos de lançado. Para contar a história de como surgiu o disco, o documentário Nada Será Como Antes - A Música do Clube da Esquina se debruça no processo criativo dos músicos, incluindo lugares, pessoas e outras referências que influenciaram a criação das canções.


Com a participação de Milton Nascimento, Lô Borges, Márcio Borges, Beto Guedes, Flávio Venturini e muitos outros músicos, o documentário dirigido por Ana Rieper mergulha na história dos artistas e no laço da amizade que construiu o movimento do Clube da Esquina na cidade de Belo Horizonte ao fim da década de 60.


Lançado nos cinemas na última quinta-feira, 28, o documentário tem uma proposta mais imersiva nos afetos que permearam esses encontros até culminar na produção do primeiro disco em uma tentativa não de esmiuçar o detalhes da gravação, mas, entender de onde surgiram as inspirações para letras como Trem Azul e Um Girassol da Cor Do Seu Cabelo.

Foto: Divulgação


Ana Rieper consegue ambientalizar bem o telespectador naquela Belo Horizonte que se erguia nas proximidades de uma ditadura militar no país e tudo fica mais físico quando entendemos como a cidade é uma protagonista da história dos músicos, que misturaram as referências gringas da época com a experimentação solta de uma conversa entre amigos para criar música, sem pretensão nenhuma.


O documentário aproveita também o carisma dos músicos, especialmente dos irmãos Borges, para também divertir com os causos e acasos da história dos dois com seus colegas. Milton Nascimento, por conta da pandemia, teve sua participação um pouco reduzida. Com 1h10 de projeção, quando o documentário acaba, a sensação é que ele poderia ter sido bem mais longo do que ele se propôs. Afinal, a criação do movimento do Clube da Esquina vai muito além do que foi mostrado.


Sabe a série The Beatles: Get Back do Disney+? Minha impressão é que a história de Nada Será Como Antes - A Música do Clube da Esquina poderia ser algo nesse estilo. Quase 500 minutos para entender um dos álbuns mais icônicos de todos os tempos talvez nem seja tempo suficiente assim, mas pode nos apresentar nuances mais profundas, coisas que o documentário apenas nos mostrou pela sua superfície.


Nota: 3,5/5

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page